sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

I Love You To The Moon And Back - Capítulo 19

Capítulo 19

-Uou – Joe soltou involuntariamente quando eles entraram na mansão de Demi – é lindo e – fez uma pausa – grande.
-Fica a vontade, ok? – ela olhou fixamente nos olhos dele – é a sua casa também – ele sorriu sem jeito e ela corou com medo de estar forçando as coisas – quero dizer – completou confusa – nesse tempo, quero que vocês se sintam em casa.
-Obrigado – ele agradeceu sincero.
-O quarto de hóspedes fica por aqui – ela voltou a falar enquanto se virava para Joe segui-la, abriu uma grande porta com um estilo antigo.
-Acho que só o quarto de hospedes é do tamanho da minha casa inteira – ele riu e entrou pondo as malas no chão e Ronan na cama.
-Idiota – Demi sorriu – vem aqui, Ron, tenho uma coisa pra te mostrar – foi até ele e estendeu a mão para que ele descesse da cama.
Eles desceram as escadas e foram para uma espécie de sótão, havia um corredor e um tapete vermelho levava a duas portas, Demi abriu uma delas e Ronan sorriu encantado.
-Eu posso brincar? – ele perguntou entrando devagar na sala.
-Com o que quiser – ela sorriu observando o brilho no olhar dele – pode fazer o que quiser aí.
-Não acha que está grandinha demais pra uma sala de jogos não? – Joe a surpreendeu, chegando por trás e sussurrando no ouvido dela, encolheu os ombros por instinto.
-Até você se divertiria aqui dentro – ela sorriu tentando não demonstrar o efeito que ele causava – é mágico.
-Aquilo é um pong? – Joe perguntou empolgado.
-Não – Demi riu dele – é um fliperama normal, só que eu mandei fazer essa “capa” – fez aspas com os dedos – pra imitar um pong, infelizmente eu não achei nenhum pra vender.
-Poxa – ele fez um biquinho – queria saber a sensação de jogar em um desses.
-Bom, eu não tenho um pong original, mas – ela o pegou pela mão e passou por Ronan que jogava algo em um play station – que tal uma partida nesse atari 2600?
-NÃO ACREDITO – ele riu encantado – eu ganho fácil de você.
-Não mesmo – ela sorriu e ligou o aparelho.
Eles passaram todo o final da tarde ali juntos, Ronan se juntou a eles e ouvia atentamente tudo que Joe ensinava sobre os videogames clássicos que Demi tinha, mostrou jogos antigos com gráficos primários e bobos comparados aos de hoje, mas por incrível que pareça, o pequeno se interessou por esses e brincou por horas, podendo esquecer por um momento as dores, enjoos e tonturas frequentes, podendo ser criança no meio de toda essa confusão.
-Bom, seria incrível ficar aqui pra todo o sempre, mas eu to com fome – Demi sorriu se levantando da poltrona.
-É, eu também – Ronan disse e Joe o encarou.
-Joseph, deixa ele – Demi brigou – a gente não comeu nada desde que chegamos, vamos, a gente vai jantar com a minha família.
Joe não discordou, mas a ideia o assustava um pouco, sabia que ela não estava fazendo por mal nem forçando nada, mas seria estranho sentar a mesa como um amigo sabendo que ele era mais que isso.
-DEMI – uma voz infantil a chamou assim que ela abriu a porta da casa dos pais.
-Maddie – ela sorriu e abraçou a irmã forte – que saudade.
-Eu também estava.
Elas entraram abraçadas e Joe as seguiu com Ronan no colo.
-BOA NOITE, FAMÍLIA – Dallas gritou empolgada – Demi, finalmente – abraçou a irmã – como foi a turnê? A Selena te ligou e…
-Dallas, respira – Demi riu.
-Desculpa – disse rindo também – é que você some e eu fico sem ter com quem – ela parou de repente – quem é esse?
-Sou o Joe – ele sorriu e estendeu a mão pra ela que apertou empolgada – e esse é meu filho Ronan.
-Oi, lindinho – Dallas disse rindo.
-Oi – o pequeno respondeu sem graça – pai, eu to passando mal – reclamou.
-O que você ta sentindo? – Joe perguntou preocupado.
-Põe ele aqui – Demi disse no mesmo tom puxando-o para a sala.
-Eu to – ele começou a dizer mas desmaiou.
-RON – Joe chamou colocando-o no sofá – Ronan, fala comigo.
-Pai, você viu a clínica? – Demi perguntou tentando manter a calma.
-Eles estão de sobreaviso – Eddie explicou e correu pra ligar para o médico.
-Calma, Joe, respira, a ambulância já está vindo – Demi disse segurando as lágrimas.
-Demi, eu – Joe começou a dizer mas as lágrimas o impediram de continuar, ela o abraçou forte.
-Calma, calma vai da tudo certo, eu to aqui – segurou o rosto dele para que ele a olhasse – eu to com vocês, não pensa no pior, calma – se afastou rapidamente dele – mãe, arruma um calmante, sei lá, alguma coisa para…
-Não quero ser dopado de novo – ele disse entre dentes.
-Então se acalma – ela respondeu no mesmo tom – ficando assim não vai adiantar nada – ele abaixou a cabeça e respirou fundo – eu vou lá em casa pegar algumas roupas pra levarmos pra clínica, já volto.
Ela correu e separou algumas coisas pra levar, pegou os documentos necessários e voltou, encontrou Joe chorando em silencio no canto da sala e Dallas fazendo carinho em Ronan que ainda estava desacordado no sofá.
-Joe – Demi chamou baixo se aproximando devagar, colocou as bolsas no chão e encostou no ombro dele – eu sei que é difícil, me desculpa, eu não queria gritar com você.
-Não, tudo bem – ele soltou pesadamente o ar pelo nariz e se virou pra ela – ele precisa de mim, foi necessário que você fizesse isso.
-Eu também tenho medo – ela abaixou a cabeça – você sabe que ele é muito importante pra mim.
-Eu queria ter a sua força – ele sorriu fraco.
-A vida me obrigou a ser assim – ela disse baixo – e tudo que você passou, você também é forte, eu sei que é.
-Obrigado – ele disse baixo e abriu os braços sentindo-a nele logo em seguida.
-Acho que teremos dois novos membros na família – Dallas disse observando a cena.
-Também to achando – Dianna sorriu de leve.
-A ambulância chegou – Eddie fez um barulho com a garganta.
-Você vai com ele e eu levo as coisas no meu carro – Demi disse e Joe concordou pegando Ronan no colo.
Em minutos eles estavam estacionando em frente a clinica, foram super bem atendidos desde a chegada, era tudo incrivelmente limpo e organizado, Joe imaginava o quanto ela estava gastando por aquilo.
Ronan agora estava sedado, no melhor quarto e com um excelente atendimento, Joe se sentou em uma poltrona branca que tinha ali e escondeu o rosto nas mãos respirando fundo.
-E então? – ele perguntou quando Demi abriu a porta do quarto.
-A médica disse que o estado dele ainda não é tão grave – andou até ele, que a puxou pela cintura colocando-a no seu colo – mas ele tem que começar um tratamento urgente, ele tem grandes chances de ser curado porque tá no inicio ainda.
Joe a abraçou mais forte respirando aliviado, se sentiu mais esperançoso com tudo isso.
-E o que a gente faz agora?
-Ela disse que ele vai ficar desacordado até amanhã – Demi explicou – se você quiser ficar aqui, tudo bem, mas acho melhor irmos pra casa, descansar, ele será bem tratado e não há muita coisa que possamos fazer, pelo menos enquanto ele estiver dormindo.
Ele fez que sim com a cabeça, sabia que só ela conseguia acalma-lo, então concordou que precisava de um bom descanso porque aquela batalha toda começaria agora, eles se levantaram em silencio e foram pra casa juntos.
-Mãe – Demi chamou abrindo a porta da casa dos pais.
-Oi, filha – Dianna sorriu fraco.
-Eu acho que esqueci meu celular aqui – disse cabisbaixa.
-Ta na bancada da cozinha – Dianna explicou dando espaço pra filha entrar – cadê o Joseph?
-Ta tomando banho, ele tá arrasado.
-Eu imagino – Dianna foi até a filha – você também não ta nada bem.
-Eu to tentando fingir que vai da tudo certo mas eu também to muito mal com isso tudo.
-Ele é importante pra você, né?
-Demais, mãe – Demi suspirou – o Ron e o Joe significam muito pra mim.
-Você está apaixonada por esse Joseph? – Dianna perguntou, mas soou como uma afirmação.
-Sim– Demi respondeu rapidamente – quer dizer – fechou os olhos e respirou fundo – eu não sei, mãe, é complicado demais.
-Você quer conversar?
-Não agora – ela disse baixo – depois eu te conto tudo.
-Tudo bem – Dianna sorriu e elas se abraçaram – boa noite, querida.
-Boa noite, mãe.
Demi se virou e quando chegou na porta Dianna a chamou.
-Ele está completamente apaixonado por você.
Ela apenas sorriu de leve e saiu dali correndo, sabia que sua mãe não errava com essas coisas, mas tinha medo de por esperanças demais nisso tudo, na verdade, não queria pensar muito nisso porque não era hora, abriu a porta de casa perdida em seus pensamentos e encontrou Joe na cozinha.
-Desculpa – ele disse sem jeito com um pão na mão – fome da madrugada.
-Tudo bem – ela sorriu e foi pra sala.
-Fiz um pra você – ele disse mostrando dois sanduíches se sentando ao lado dela no sofá.
-To sem fome – ela deu de ombros e voltou a zapear os canais de TV.
-Aconteceu alguma coisa? – ele perguntou preocupado.
-Nada, só to preocupada – forçou um sorriso.
-Chega uma hora que até os mais fortes desabam – ele completou suspirando.
-Não é só o Ron que me preocupa – ela soltou sem pensar.
-Então é o que?
-Minha carreira e – ela mentiu.
-Sua carreira? – ele sorriu zombeteiro – acho que ela nunca esteve tão boa – tomou um pouco de suco e voltou a encara-la – você não sabe mentir.
-Não é nada pra se preocupar – ela sorriu fraco e se levantou – vou dormir, vamos cedo pra clinica amanhã, ok?
-Ok – ele resolveu não discutir, se inclinou pra dar um selinho nela mas ela desviou.
-Boa noite, Joe.
-Demi – ele a puxou pelo braço forçando-a a se sentar de novo – o que houve?
-Nada, Joe, já falei – respondeu meio sem paciência – só to cansada.
-Cansada demais pra me dar um selinho? – ele perguntou brincando – eu fiz alguma coisa?
-Não – ela revirou os olhos – não fez nada.
-Então porque você ta me evitando? – ele se aproximou – pode ser sincera, Demi, confia em mim.
-Eu não to te evitando – ela abaixou a cabeça – eu só não quero que a gente se engane, ou melhor, eu não quero me enganar.
-Como assim?- perguntou confuso.
-Não acho certo a gente ficar agindo como – ela brincava com os dedos e encarava o chão – como namorados – olhou pra ele triste – não quero me iludir com o amor, porque eu sempre estrago tudo.
Ele abaixou a cabeça se sentindo culpado, pela primeira vez ela havia falado de amor com ele, e ele sabia que só ele poderia dar o primeiro passo.
-É disso que eu to falando – ela se levantou – quando eu avanço você recua e eu não sei se vou aguentar por muito tempo.
Ele suspirou sem graça e ela saiu correndo para o quarto.
-Não sei porque eu pensei que seria diferente – disse pra si mesma enquanto se preparava pra tomar banho – QUE? – gritou ouvindo batidas na porta.
-Eu tenho direito de resposta? – Joe perguntou do corredor.
-Eu te dei tempo pra responder – ela disse se enrolando na toalha e fazendo um coque.
-Mas eu não respondi – ele abriu a porta.
-SOME, JOSEPH – ela gritou puxando a toalha.
-Só depois que você me escutar – ele disse sério.
-Anda logo.
-Eu sei que eu sou idiota e lerdo assim – ele começou – mas eu to confuso com tudo, ao mesmo tempo que eu quero você, eu tenho medo de não sentir o suficiente.
-Enquanto isso a gente se pega – zombou – claro, Joe.
-Demi, colabora – ele pediu – enfim, a questão é que eu tomei a minha decisão sobre nós.
-Não tem um nós – retrucou prendendo a franja.
-Pois é – ele suspirou – mas eu to disposto a ver o que rola caso ele exista.
-O que? – ela se desequilibrou um pouco e ele sorriu achando que ela havia gostado – você acha isso um pedido de namoro? – completou ainda irritada – que romântico.
-Demi – Joe pediu perdendo um pouco da paciência – o que você quer que eu faça?
-Você sabe o que tem que fazer, enfim, vou tomar um banho.
-Não vai – ele a puxou pelo braço – Demi, você…
-Eu o que? – ela ergueu uma sobrancelha.
-Você acha que é fácil pensar com você desse jeito?
-Eu não estou tentando te seduzir – ela se defendeu – VOCÊ entrou no meu quarto sem bater e na hora errada.
-Com o corpo que você tem, você seduz até de burca – ele foi sincero e ela soltou uma gargalhada.
-Por favor, né, Joseph.
-To falando que – ele respirou fundo – que eu não consigo passar nem mais um segundo sem pensar em você, enquanto você esteve longe eu lembrava do seu sorriso e me sentia bem, você me fez superar tudo, e só você é capaz de me fazer esquecer o passado e ser feliz daqui pra frente, você é incrível com seus fãs, sua família, comigo, com o Ronan, droga, Demi, o jeito que você o trata é tudo que eu sempre procurei em uma mulher, tudo em você é perfeito, perfeito pra mim, portanto – fez uma pausa – qual é o seu nome do meio?
-Devonne – riu emocionada.
-Portanto Demetria Devonne Lovato – ele se ajoelhou – você aceita ser minha, pra sempre?
-Vou pensar – ela respondeu segurando o riso.
-Ta de brincadeira, né.
-Não – deu de ombros – posso tomar banho agora?
-À vontade – ele levantou frustrado.
-Joe – ela chamou quando ele chegou perto da porta – já pensei – riu sapeca.
-Por que você tem que implicar?
-Eu geralmente faço isso – ela se aproximou e sussurrou nos lábios dele – com quem eu gosto – e o beijou intensamente.
-Isso é um sim? – ele perguntou também sussurrando.
-Só se você me prometer que será pra sempre – respondeu ainda de olhos fechados.
-Eu prometo.

Gente, a partir desse capítulo eu vou começar a contar os pontos pra leitora do mês, tá ? E aí, o que acharam do cap ? Comentários ? xx

OOOOOOOOOOOI

Gente, eu tava tendo uma ideia muito doida aqui. Tipo, leitora do mês, sabe ? Daí eu pensei em ser mais ou menos assim:

  • Comentário = 3 pontos
  • Divulgação =  5 pontos
  • Se alguém comentar e falar que foi indicado por fulano = 10 pontos.
Daí, como a fic tá caminhando pro fim, pensei em a ganhadora desse mês receber um super spoiler sobre o final da fic.

E, mais novidade, de 3 em 3 meses vai ter um super leitora, e a super leitora vai ganhar presentinho :D Você vai poder escolher se quer alguma coisa da Demi ou dos Jonas.

Então, o que que vocês acham ? Gostaram da ideia ? Se vocês concordarem eu já posso começar a contar os pontos a partir do próximo capítulo. Leitores fantasmas, apareçam! Venham participar (:

Beijo, gente xx

I Love You To The Moon And Back - Capítulo 18


Capítulo 18

Acordaram muito cedo no dia seguinte, teriam que arrumar as malas e tudo mais que era necessário para a viagem, iriam de helicóptero até o aeroporto mais próximo, um jatinho já estaria esperando-os, Demi não gostava disso, de ter exclusividade em tudo, mas não podia ser vista com Joe, não ainda, não saberia como administrar tudo isso e mais boatos de um novo namorado.
-Tudo pronto? – ela perguntou encarando as malas.
-Sim – ele respondeu fechando a ultima bolsa – não vou levar muita coisa.
-Uhum – ela sorriu de leve – documentos, tudo?
-Sim senhora – ele foi até ela e deu um selinho – tudo certo, relaxa.
-Queria que fosse uma viagem pra se distrair – ela deu de ombros – leva-lo a praia, ele ama a praia, Disney, imagina, Joe.
-Shi – ele colocou o dedo indicador sobre os lábios dela – a gente ainda vai ter muito tempo pra ir pra onde você quiser.
Ela sorriu e eles se abraçaram.
-Vou lá acordar o Ron – Joe disse.
-Uhum, eu vou tomar um banho rápido.
Ela foi para o banheiro e quando saiu encontrou Ronan sonolento no colo de Joe, ambos sentados na cama esperando-a.
-Banho rápido – ele debochou.
-Não enche – ela balançou o cabelo de qualquer jeito e fez um coque alto – bom dia, príncipe.
-Bom dia – Ronan sorriu de leve – pra onde a gente vai?
-A gente vai passear – Joe disse empolgado – vamos conhecer a casa da tia Demi.
-É mesmo? – o rosto dele se iluminou em um sorriso infantil.
-Sim – Demi se agachou apoiando as mãos no joelho de Joe – você vai conhecer o meu pai, a minha mãe, minhas irmãs e meus cachorros.
-Sua mãe e – Joe engoliu seco – seu pai?
-Sim – ela reafirmou sem entender.
-Você ainda mora com os seus pais?
-Sim e não – ela sorriu – eu moro sozinha mas a minha casa fica no mesmo quintal da casa dos meus pais.
-Igual a gente, pai – Ronan disse como se parecesse óbvio.
-Isso mesmo – Demi se levantou olhando o relógio – igual a vocês, agora vamos? O piloto já deve estar esperando a gente.
-A Tia Miley, o Tio Nick e a Eleanor vão?
-Não agora – Joe disse – eles vão depois.
Nick iria tirar férias dali há algumas semanas, eles haviam combinado que Demi enviaria as passagens por correio para eles passarem esse tempo em Los Angeles.
-Bom, vamos? – Demi sorriu e pegou algumas malas.
Joe colocou Ronan no chão pegando as outras malas.
-Você mora muito longe? –o pequeno que andava de mãos dadas com Demi perguntou.
-Um pouquinho – ela sorriu ao ver Miley e Nick no portão esperando por eles – você já andou de avião?
-Não – ele sorriu empolgado – vamos de avião, papai.
-É, eu sei – Joe riu – agora vai lá se despedir dos seus tios.
Ronan se soltou de Demi e foi na frente, ele mancava um pouco, Miley correu e o pegou no colo abraçando-o com força.
-Vê se não da trabalho pra Demi, hein – Nick disse abraçando Miley por trás e depositando um beijo na testa do sobrinho – nos vemos em algumas semanas.
-Mal posso esperar por isso – Miley completou beijando Ronan também – vamos sentir sua falta.
-Vocês também vão de avião? – ele perguntou empolgado.
-Sim – Nick sorriu.
-A Eleanor também?
-Ela também – continuou sorrindo.
-A gente tem que ir – Joe disse – ainda vamos passar na casa do Kevin.
-Claro – Miley respondeu triste – vai dar tudo certo, Joe.
Ele sorriu em resposta, Demi pegou Ronan no colo e se despediu do casal entrando no táxi, na casa de Kevin foi outra despedida dolorosa, no fundo todos temiam o pior, embora fizessem força pra se mostraram otimistas sobre isso.
Depois de longas horas eles chegaram a Los Angeles, já era fim de tarde e Ronan dormia no colo de Demi enquanto Joe empurrava o carrinho com as malas.
-Olha lá – ela sorriu emocionada – meus pais – disse sem conseguir conter a saudade.
-Por que você não falou que seus pais viriam buscar a gente?
-Sei lá – ela disse – relaxa, Joe, eu não vou te apresentar como meu namorado – fez uma pausa tentando disfarçar que isso a afetava um pouco, não que ela quisesse um relacionamento sério agora, mas sabia que ele não tomaria nenhuma posição tão cedo .
Ele concordou também meio incomodado com isso, sabia que gostava dela, gostava muito, mas ainda não sabia o que era, mas era fato de que crescia cada vez mais, sacudiu a cabeça lentamente enquanto se aproximava daquele simpático casal que sorria ainda mais a medida que eles andavam.
-Filha, que saudade – Dianna disse abraçando Demi – e quem é essa gracinha no seu colo?
-Esse é o Ronan – Demi sorriu – filho do meu amigo, Joe – puxou Joe pelo braço.
-Olá – ele sorriu fraco – é um prazer, e muito obrigada pela ajuda.
-Que isso, querido – Dianna disse sorrindo – faremos o possível pra ajudar vocês.
Eddie sorriu concordando e encarou Joe com olhar suspeito, o que fez com que ele congelasse por alguns instantes, eles trocaram um aperto de mão e foram para o carro, Demi não sabia o que esperar, imaginava um dia apresenta-lo como algo a mais que um amigo, mas tentava não se preocupar com isso agora, eles estavam ali por Ronan, apenas ele importava no momento.

Gente, a fic chegou na metade já, daqui a pouco estamos indo pra reta final. E aí, o que que vocês estão achando ? Tem alguma crítica ? Comentários ? xx