quinta-feira, 7 de março de 2013

I Love You To The Moon And Back - Capítulo 29

                                     Capítulo 29

Quando a sensação de felicidade, se sentindo justa em se punir daquela forma, passou, o sentimento de culpa a invadiu tão violentamente como um soco e a fez chorar mais uma vez de forma mais assustadora que antes, jogou a lamina longe, não viu ao certo onde caiu, e se encolheu de novo, dessa vez, sem se importar com o chão gélido, encarou o nada pondo a mão na nuca balançando de um lado para o outro, o que acabara de fazer era inadmissível, estava lutando contra isso há mais de um ano, não podia simplesmente jogar tudo fora.

Respirou fundo tentando acalmar os pensamentos suicidas, era sempre assim, ela abria uma brecha, por menor que fosse, e todos os outros monstros internos se afloravam de tal forma que ela não conseguia dominar, negou com a cabeça e a levantou sentindo a água cair sobre seu rosto, pediu a Deus forças e quando abriu lentamente os olhos encarou os dedos já enrugados, há quanto tempo estava ali? Se perguntou. Possivelmente a mais de uma hora.

Levantou-se relutante e desligou o chuveiro quando teve a certeza que o fluxo de sangue em seu pulso, pouco abaixo da palavra “stay”, havia parado.

-Strong – encarou o outro pulso enquanto pegava a toalha – sua força é uma piada – riu sem humor e passou a toalha pelo corpo envolvendo a mesma no cabelo depois que terminou – você é uma piada, Demi – disse baixo embora houvesse prometido que não se diminuiria mais com essas palavras tão duras.

Colocou um band-aid nos dois cortes piores e ignorou os outros, esses não sangrariam de novo, vestiu suas roupas íntimas e pensou no que colocaria para dormir, precisava ser algo de manga comprida embora desacreditasse que Joe fosse dormir com ela, mesmo assim, precisava ser precavida, porém estava calor e todas as blusas que tinha eram pesadas demais para dormir, até que se avistou seu pijama xadrez vermelho e preto atrás da porta do banheiro, vestiu-o e ficou apenas de calcinha já que ele era bem maior que ela e tinha um tecido bem leve, deixando-a confortável para o calor e para esconder as novas marcas.

Encarou o espelho e viu que estava acabada, rosto abatido, cansado, os olhos ainda um pouco inchados e olheiras, suspirou e escovou os dentes rapidamente, já havia enrolado muito ali dentro, mordeu os lábios, deu uma última conferida pra ver se não tinha nenhum vestígio de sangue nem nada que a entregasse e saiu encontrando Joe sentado na cama olhando pra ela.

Ignorou-o completamente, foi até a penteadeira pegando um dos seus melhores cremes hidratantes, começou a passar na perna quando ouviu Joe pigarrear, não se virou pra ele, nem se mexeu, continuou fazendo o que estava fazendo.

-Esse é o meu favorito – ele disse se referindo ao hidratante mas ela continuou ignorando-o – você não vai falar comigo, né? – fez uma pergunta retórica – não vai perguntar onde eu fui? O que eu fiz? Com quem eu estava? – frisou a palavra “quem”.

Demi o encarou e suspirou derrotada, desabotoou a blusa e passou o creme pelo pescoço descendo até a barriga em movimentos circulares, Joe arfou mordendo os lábios.

-Não me importo, você já é bem grandinho – terminou e tampou o potinho colocando-o na penteadeira – e outra, com certeza tinham paparazzi atrás de você.

-Então você vai procurar saber?

-Não – se sentou na cama e ele se ajeitou para olha-la – eu quero continuar confiando em você, embora ultimamente você não tenha me dado muitos motivos.

Aquelas palavras lhe atingiram de uma forma assustadora, apesar de tudo, não queria perde-la, não suportava a ideia de não estar com ela, por um instante se desesperou.

-Desculpa – sussurrou – depois que eu vi você colocando o Ronan pra dormir eu tive certeza que você tomou a decisão certa, o lugar dele é aqui com a gente…enquanto for possível – sussurrou o final.

-Tenta não pensar nisso, ok? – ela sorriu de leve e passou a mão no rosto dele – eu te amo e eu não quero estragar tudo.

-Eu que estou estragando tudo – ele abaixou o olhar rindo da situação – eu acho que não te mereço.

-Eu também acho que não – disse sincera e ele a encarou – mas fazer o que, né, a gente não escolhe quem a gente ama.

-Sua sinceridade sempre me impressiona.

-Quem bom – ela riu e tombou para o lado dando um beijo demorado nele – boa noite – disse começando a abotoar a blusa do pijama.

-Ah, não, deixa aberta – reclamou.

-Como é? – ela riu e terminou o último botão – creio que isso não é o certo a se focar agora, né.

-Não podemos pagar mal por mal – repreendeu Joe sorrindo da situação.

-Para de rir, eu não to brincando.

-O que? – ele se assustou com a ideia.

-Isso mesmo, lindinho – Demi se aproximou dele – greve de sexo – disse pausadamente.

-Tá de brincadeira…

-Você acha que eu ia te perdoar tão facilmente? – riu – iludido.

-Demi, me desculpa, eu – começou a atropelar as palavras.

-Joseph, calma, você ainda não viu nada – ela aproveitou que ele estava sem camisa e arranhou de leve a barriga dele que se contraiu na hora – além de não ter nada por um tempo que eu ainda vou determinar – ela se aproximou mais e mordeu os lábios dele, seguindo uma fileira de outros beijinhos de leve até a orelha voltando a sussurrar – eu ainda vou te provocar até você implorar por isso.

-Isso não sei faz – ele disse com dificuldade mantendo os olhos fechados, mas não resistiu a proximidade e a pegou pelo braço se virando para ficar por cima, ao mesmo tempo que a ouviu reprimir um grito de dor – tá tudo bem?

Demi não conseguiu conter a lágrima que rolou lentamente pelo seu rosto, Joe arregalou os olhos desesperado e se afastou procurando onde podia tê-la machucado, quando encarou onde suas mãos estavam se desesperou.

-Me solta – ela disse com dificuldade enquanto uma vergonha a invadia – me solta, por favor – pediu e sua voz vacilou com o desespero, ele a soltou e na hora ela passou a mão no pulso.

-Demi – sussurrou apavorado, uma coisa era ela ter esse hábito, outra era ela manter, e o pior, por culpa dele, na hora que se deu conta do que havia acontecido, ele se lembrou das palavras duras que tinha dito na clinica.

-Não fala nada, Joe – ela se levantou – ninguém entende, ninguém nunca entende.

-Eu…

-Você diz que não me merece – ela o interrompeu – mas eu é que não te mereço, na verdade, ninguém memerece – ela suspirou sentindo seu rosto se inundar com as lágrimas – olha pra mim, sou uma louca que não tem coragem pra enfrentar os problemas e se machuca – parou de falar e o encarou, seu olhar estava carregado de desespero, era como se as palavras mostrassem uma coisa e os olhos mostrassem outra, na verdade, ela só queria ajuda – sabe o que é pior? Uma menina qualquer me parar na rua e me dizer que eu a fiz forte, que eu a ensinei a passar por cima dos seus problemas, eu – ela riu sarcástica – eu, Joseph, EU? – começou a gritar do nada – EU SOU UMA MENTIRA, EU NÃO SOU FORTE, EU QUIS ME MATAR DENTRO DAQUELE BANHEIRO E SABE O QUE ME IMPEDIU? – ele engoliu o nó na garganta e encarou a menina frágil a sua frente – você – sussurrou – você e o Ronan são o que me prendem aqui.

Ele não sabia o que falar, olhou pra ela tentando entender o que ela queria, realmente não sabia como agir naquela situação, respirou fundo e fechou os olhos pensando o que ela significava, bipolar ou não, com transtornos alimentares ou automutilação, com qualquer desses problemas ou sem eles ela era a Demi, a sua Demi, a menina que o fez esquecer o passado, a sua pequena, que ele queria cuidar, proteger, ao mesmo tempo, parecendo frágil, ainda era seu porto seguro, seu ponto de equilíbrio.

Cambaleou até ela ainda meio atordoado e a encarou fixamente deixando transparecer apenas com o olhar que estaria com ela independente de tudo, sorriu de leve lhe passando confiança, beijou sua testa de forma demorada e a envolveu pela cintura, Demi suspirou.

Depois de alguns minutos ele se afastou, pegou-a pelo braço e levantou a manga da blusa, por um instante quis gritar, aquilo não era justo, ela era tão linda, tão perfeita aos seus olhos, vê-la se machucar daquela forma o causava enjoo, negou com a cabeça voltando a pensar coerentemente e beijou de leve o pulso dela, na hora Demi só conseguiu chorar.

-Eu vou cuidar de você – ele sussurrou levantando o olhar sem deixar de acariciar sua mão – eu vou estar com você sempre, mesmo que as vezes eu aja como um idiota e diga coisas no calor da discussão, não se esqueça de que eu te amo e eu estou do seu lado – voltou a segurá-la pela cintura – esse é o ponto forte do nosso relacionamento, você percebeu? – ele riu sem jeito e entrelaçou os dedos aos dela enquanto a outra mão passeava livremente pela cintura de Demi – eu preciso de você tanto quanto você precisa de mim, esse apoio mútuo é o que nos une, eu te amo, Demi, e eu quero te ver feliz pra eu ficar feliz, eu não consigo suportar a ideia de ter falhado com você e…

-Shi – ela levantou a mão livre e colocou o dedo indicador na boca dele – eu só preciso do seu abraço agora, de mais nada.

Ele suspirou e a pegou no colo como faria com Ronan, carregou-a até a cama e ambos se ajeitaram, ela apoiou a cabeça no ombro dele se escondendo no pescoço e foi se acalmando aos poucos, Joe a apertou pela cintura e se arrumou fazendo um desenho na perna dela com o dedo, descia e subia de forma leve, eles ficaram assim, em silencio por um longo tempo.

-Demi – ele chamou com a voz rouca e ela se arrepiou.

-Hm – respondeu fraca já que seus olhos pesavam de forma assustadora.

-Achei que estivesse dormindo – ele disse baixo – sobre a greve…

-Ainda está valendo – ela disse e riu de leve se entregando ao sono que a dominava.

Cara, como eu sou muito boazinha, postei mais um capítulo hoje. E esse é o penúltimo! Gente, preparem seus corações, preparem! Só digo isso.
Comentários ? xx

3 comentários:

  1. Ai meu Deus será mesmo que vai acontecer o que eu estou pensando!!Nãoooooooooooooooooooo pode ser ai meu corassaum!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vai, você sabe que vai! Mas, shiu, não vamos explanar!

      Excluir
  2. Aiiii cara como tu para agora
    To curiosa
    POSTA LOGOOO
    Beijos!!!

    ResponderExcluir